A HISTÓRIA DE UM NATAL SEM PRESENTES

 

 

manger1

Um senhor questionava a revolução que Jesus causou com sua vinda ao mundo e também discutia o motivo do natal com uma garotinha…

– “Que revolução? O mundo só piorou. Os seres humanos são cada vez mais cruéis!”

Então a doce menina começa a contar a história do Natal sem presentes:

“Era uma vez, num lugar bem longínguo do Brasil, uma noiva prestes a se casar. Há também um criador muito sonhador resolve mudar a história da humanidade e faz de si próprio a obra-prima para a revolução. Mas ele precisa de alguém para implantar o invento. Alguém com muito valor, mas que não fosse uma pessoa muito famosa.

O criador encontra na noiva do início da história a pessoa perfeita para executar seu plano. Ela é noiva e isso pode fazer com que ela perca as esperanças de se casar, e então ela não aceita o desafio.

A humanidade não desenvolve. As pessoas morrem cada vez mais por doenças horríveis e guerras ainda piores.

As mulheres não têm direitos e os escravos; além de nunca deixarem de ser escravos, são tratados cada vez mais como animais.

Crianças são sacrificadas em níveis preocupantes em rituais macabros.

Não existe Natal, não há o que comemorar nesse mundo de caos.

Ninguém vive feliz para sempre.”

– “Não entendi sua historinha de terror” – diz o senhor.

– “Moço, imagine que nessa história, o criador seja Deus, a noiva Maria, e o invento revolucionário seja Jesus. Se Maria não tivesse aceitado o desafio, ou se simplesmente o Pai não quisesse reverter a situação da sociedade o mundo seria um caos…”

– “Jovenzinha, mas e os problemas que esse mundo enfrenta, já são o caos, como você me explica isso???”

– “Nem todas as pessoas aceitam a graça salvadora que Jesus oferece. Muitos questionam sua autoridade como Deus ou simplesmente são indiferentes ao fato…”

– “Quer dizer então que se todos aceitassem Jesus, como você diz, o mundo seria melhor?? Ora, Deus não é um ser tão irresponsável a ponto de deixar o destino do mundo nas mãos de criaturas ignorantes como o homem!!”

– “Ele não deixou, Ele enviou Jesus justamente para isso, Jesus busca as pessoas, cabe a elas aceitar. O senhor tem que considerar que somos seres com vontade própria, e isso foi Deus que nos concedeu. E cada ato tem sua conseqüência…o pecado só produz desgraça mesmo…”

– “E o monte de cristãos que cometem atrocidades??”

– “Eles na verdade ainda não conheceram a graça que Jesus oferece, por isso não tentam viver a vida que Jesus viveu. Erram por serem humanos, mas por Jesus ele podem ser perdoados…”

– “Jesus não é humano?!?”

– “É sim, mas também é Deus.”

– “Como??”

– “Ele é Deus, mas Ele também é homem porque veio através de uma mulher e viveu como homem. Mas moço, eu tenho que ir embora…antes…independente se você acredita ou não eu te desafio!”

O senhor então olha com um tom irônico,e, ao mesmo tempo, inseguro esperando o desafio.

– “Pede pra Jesus fazer uma revolução pessoal na sua vida. Pede com vontade, desafia ele, se Ele não mudar sua vida você passa a estar certo e eu errada.”

O garotinha vai embora e deixa o homem em um profundo silêncio reflexivo.

Meses depois eles se encontram em um ônibus e ele diz:

– “Encontrei o sentido do Natal, você estava certa.”

Se você quer conhecer o sentido do Natal e mais do que isso, o sentido da vida e quer resposta a todas as questões da humanidade convide Jesus para que Ele te mostre, pode falar do seu jeito… (exemplo: Jesus, cansei de viver uma vida vazia e sem sentido, me dá as respostas que eu procuro e me perdoe pela vida cheia de erros que vivi até hoje. Obrigado (a) por se importar comigo a ponto de morrer numa cruz por mim. Muda minha vida para sempre. Em teu nome, amém)

Mas se você acha toda essa história uma grande besteira, um grande fanatismo, ou qualquer outra coisa, faça como o senhor da história. Aceite o desafio. Desafie Jesus nesse natal! Se Ele não fizer uma revolução na sua vida, esqueça tudo, você está certo (a), e eu errada…mas lembre-se de ser o mais honesto em seu desafio hein?

FELIZ NATAL!!! O SALVADOR NASCEU!!! FELIZ NATAL!!!!

Leia também