A PARÁBOLA DO MACHADO ROUBADO

 

 

machado

O folclore alemão conta a história de um homem que, ao acordar, reparou que seu machado desaparecera.

Furioso, acreditando que seu vizinho o tivesse roubado, passou o resto do dia observando-o.

Viu que tinha jeito de ladrão, andava furtivamente como ladrão, sussurrava como um ladrão que desejava esconder seu roubo.

Estava tão certo de sua suspeita que resolveu entrar em casa, trocar de roupa e ir até a delegacia dar queixa.

Assim que entrou, porém, encontrou o machado que sua mulher havia colocado em outro lugar.

Envergonhado com sua posição, o homem tornou a sair para o quintal e, com o coração humilhado começou a examinar novamente o vizinho. Em cada gesto e atitude, ele enxergou a postura de um homem correto e íntegro.

Percebeu que a forma cautelosa e discreta com que o vizinho andava era simplesmente característica de sua personalidade simples e humilde.

Naquele dia ele aprendera uma lição e nunca mais julgaria os outros pelas aparências…

Quantas vezes em nossas vidas julgamos o nosso próximo tirando conclusões geradas pela aparência…

Se a pessoa é séria… mal educada.

Se se veste bem… é metida.

Se se veste mal… é relaxada.

Se fala pouco…. é carrancuda.

Se fala muito …. quer aparecer.E assim seguimos a vida, o nosso dia a dia, tirando conclusões apressadas, apontando, julgando e condenando…

Perdemos a oportunidade de viver e crescer no amor, atraímos para nossa vida o peso da solidão, plantamos sementes de divisão e intolerância…

Antes de julgar, lembre-se que sua vida é preciosa demais para ser desperdiçada nas águas da intolerância. Lembre-se que quando não vivemos na luz do amor, deixamos que as trevas do ódio tomem conta de nosso lar, de nosso trabalho, de nosso dia a dia, e assim não andamos, paramos no tempo e ainda culpamos a vida…

Disse Jesus: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão”. (Mateus 7:1-5).

 

(Autor Desconhecido)

 

Leia também