APENAS UM BEBÊ…

 

 

bebejesus

Abraão Lincoln foi um dos mais famosos presidentes dos Estados Unidos. No dia do seu nascimento, numa aldeia quase desconhecida, encontraram-se dois amigos, e o que vinha de fora perguntou ao outro:

— Quaiquer novidade na aldeia, Esdras?

— Nada, absolutamente, respondeu o interpelado, a não ser a vinda de um novo bebê em casa dos Lincoln. Por estas bandas, jamais acontece coisa alguma de importante!

O simples nascimento de um bebê nada apresentava de importante àqueles aldeões, pois não suspeitavam que aquele humilde bebê um dia se tornaria um grande lutador contra a escravatura, e dinâmico presidente daquele país.

O nascimento de Jesus foi acontecimento sem importância para muita gente dos Seus dias. Mesmo hoje, muitos não lhe atribuem importância. Estão mais preocupados com o lucro de suas vendas por ocasião do Natal, do que com a vida do Profeta de Belém.

O dia de Natal! que de doçuras
Traz ele aos corações!
Por toda parte há festas e venturas;
Há músicas no espaço em meio aos carrilhões!

Um Deus-Menino em dom à humanidade!
— Supremo Dom, que excede à compreensão.
E ante o mistério dessa humana Divindade
A mente pensa e vibra o coração!

O coração! — nos pede esse Menino
Que sem um berço aqui nasceu;
Aí quer aninhar-Se esse Infante divino
No coração — no teu, no meu!

Um pouso negaremos a Jesus agora,
Com tanta indiferença e tal desdém,
Como o fizeram homens maus outrora?
Oh não, Jesus! A mim agora vem!

(Isolina A. Waldvogel – Oferenda)

 

 

Leia também