EU O FERI!

 

 

snb

Um grupo de exploradores caminhava na neve em direção a uma pequena cidade do Pólo Norte. Por causa de uma inesperada tempestade, foram obrigados a separar-se e conseqüentemente perderam-se de vista. Daquele momento em diante teriam de caminhar sozinhos.

Como eram experientes nesse tipo de percurso não se preocuparam muito. A cidade, afinal, não estava longe.

Um deles, porém, sofreu uma queda e bateu fortemente a perna contra uma pedra.

Sozinho e sem poder caminhar, estava ameaçado de morrer congelado. Necessitava urgentemente de socorro, pois sentia-se incapaz de qualquer movimento.

Quando seus amigos chegaram na cidade, após algum tempo de espera, perceberam que algo errado havia acontecido e começaram a se preocupar com a demora do colega de expedição.

Prepararam apressadamente uma operação de busca e também alguns cães da raça São-bernardo, treinados para esse tipo de salvamento na neve. Após um bom tempo de procura sem sucesso, voltaram à cidade para traçar outros planos.

Enquanto isso, um dos cães encontrou o homem perdido e aproximou-se dele para retirá-lo de onde estava e conduzi-lo em segurança até o vilarejo. O homem, vítima da queda e do extremo frio, encontrava-se em estado se semi-inconsciência. Assim, com a visão enfraquecida, imaginou estar sendo atacado por algum animal feroz.

Com dificuldade sacou sua arma e atirou contra o cão que estava ali para salvá-lo.

Ferido, o cachorro ainda conseguiu fugir, arrastando-se em direção ao vilarejo. Enquanto percorria com dificuldade o caminho de volta, deixava por onde passava manchas do sangue que saía do seu ferimento.

Ao chegar à pequena cidade, as pessoa: logo perceberam que alguma coisa muito estranha havia acontecido e que deveriam sair em busca do perdido. Seguindo as mar-cas de sangue deixadas pelo cão, conseguiram encontrar o homem e trazê-lo de volta em segurança. Ele fora encontrado por causa das marcas do sangue derramado por aquele que tentara salvá-lo.

Esse sangue foi consequência dos ferimentos que ele mesmo havia causado. Em sua debilidade e cegueira, havia atirado naquele que o levaria a salvo para o seu destino.

Há um paralelo muito interessante entre essa história e a história de nossa própria vida.

A Bíblia afirma que estávamos perdidos e sem esperança. “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o perdido.” Lucas 19:10.

Salvar significa dar nova chance, dar vida e conduzir em segurança ao verdadeiro lar.

Mas o pecado nos envolveu e anuviou nossa mente. Tornamo-nos cegos e egoístas, não aceitamos de bom grado a salvação que nos foi enviada, porque feridos pelo pecado perdemos de vista nosso lar e não aceitamos o Salvador.

Jesus assumiu nossas dores. Nosso pecado O feriu. Nós O desprezamos como se Ele fosse um malfeitor. Nós O rejeitamos.

“… era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dEle não fizemos caso.” Isaías 53:3-6.

Foi o sofrimento de Cristo que nos trouxe esperança e cura. Como na história inicial, em que o sangue deixado por aquele animal foi o sinal que indicou onde o homem perdido se encontrava, o sangue de Cristo derramado na cruz foi o sinal de que ainda havia chance para nós também.

Você já o recebeu?

(Valdecir Lima, O Preço da Felicidade)

 

Leia também