POR FAVOR, ME RESPONDA…

 

 

rolema

Responda-me uma coisa:

Você que teve sua infância durante os anos 60, 70 …?

Diga-me, como pôde sobreviver?

Os carros não tinham cintos de segurança, apoios de cabeça, nem air-bag!!

Afinal de contas… Íamos soltos no banco de trás fazendo aquela farra!

E isso não era perigoso!

As camas tinham grades e os brinquedos eram multicores com pecinhas pequeninas que se soltavam, ou no mínimo pintados com umas tintas “duvidosas”, contendo chumbo ou outro veneno qualquer.

Não havia travas de segurança nas portas dos carros, chaves nos armários de medicamentos, detergentes ou produtos químicos domésticos…

A gente andava de bicicleta para lá e pra cá, sem capacete, joelheiras, caneleiras e cotoveleiras…

Bebíamos água de filtro de barro, da torneira, de uma mangueira, ou de uma fonte e não águas minerais em garrafas ditas esterilizadas!

Construíamos aqueles famosos carrinhos de rolemã e as crianças que tinham a sorte de morar perto de uma ladeira asfaltada, podiam tentar bater recordes de velocidade e até verificar no meio do caminho que tinham economizado a sola dos sapatos, que eram usados como freios… E estavam descalços…

Depois de alguns acidentes… Todos os problemas estavam resolvidos!

Iamos brincar na rua com uma única condição: voltar para casa ao anoitecer.

Não havia celulares… E nossos pais não sabiam onde estávamos!

Era incrível!

Tínhamos aulas só de manhã, e voltávamos para almoçar em casa.

Quando pegávamos piolhos, nossa mãe usava Neocid em pó.

Braço no gesso, dentes partidos, joelhos ralados, cabeça lascada. Alguém se queixava disso?

Todos tinham razão, menos nós …

Comíamos doces à vontade, pão com manteiga, bebidas com o (perigoso) açúcar. Não se falava de obesidade, brincávamos sempre na rua e éramos super ativos …

Dividíamos com nossos amigos uma Tubaína comprada naquela vendinha da esquina, gole a gole e nunca ninguém morreu por fazer assim…

Nada de Playstations, Nintendo 64, X boxes, jogos de Vídeo, Internet por satélite, Video cassete e DVD Dolby surround, Celular com câmera, Computador, Chats na Internet…

Só amigos!

E os nossos bichinhos de Estimação?

Nada de ração. Comiam a mesma comida que nós (muitas vezes os restos), e sem problema algum!

Banho quente? Shampoo? Que nada!

No quintal, um segurava o cão e o outro com a mangueira (com água fria). A gente ia jogando água e esfregando o animalzinho com (acreditem se quiserem) sabão (em barra) de lavar roupa!

Algum cachorro morreu ou adoeceu por causa disso?

Quem não teve um cachorro Rin Tin Tin?

A pé ou de bicicleta, íamos à casa dos nossos amigos, mesmo que morassem a quilômetros de nossa casa, entrávamos sem bater e brincávamos por horas… É verdade! Por incrível que pareça. Lá fora, nesse mundo cinzento e sem segurança!

Como era possível?

Jogávamos futebol na rua, com a trave sinalizada por duas pedras, e mesmo que não fossemos escalados… ninguém ficava frustrado e nem era o “FIM DO MUNDO“!

Na escola tinha bons e maus alunos.

Uns passavam e outros eram reprovados.

Ninguém ia por isso a um psicólogo ou psicoterapeuta.

Não havia a moda dos superdotados, nem se falava em dislexia, problemas de concentração, hiperatividade. Quem não passava, simplesmente repetia de ano e tentava de novo no ano seguinte!

As nossas festas eram animadas por radiolas com agulhas de diamantes deslizando sobre os discos de vinil, luz negra e um delicioso coquetel feito de groselha e maçã em cubinhos.

Tínhamos: Liberdade, Fracassos, Sucessos e Deveres…  E aprendíamos a lidar com cada um deles!

A única verdadeira questão é: como a gente conseguiu sobreviver?

E acima de tudo, como conseguimos desenvolver a nossa personalidade?

Você também é dessa geração?

Dizem que o mundo evoluiu. Modernizou-se. Tornou-se mais civilizado…

Mas quase tudo o que mudou, na prática, mudou para pior!

Não. E não é só saudosismo doentio. Aquela coisa de velho gagá, não!

Esta coisa de evolução, progresso, não funcionou não!

Só existe na aparência. Não na essência!

Se existe de fato, não nos tornou mais felizes. Mais saudáveis. Mais amáveis. Pessoas melhores e mais justas. Mais parecidadas com Deus!

Quanta contradição! Que absurda ironia!

Vivemos hoje na época das quotas de defesa das minorias e obsessão por inclusão, mas nunca houve tanta desigualdade. Tanto abandono. Tanta separação!

Idolatra-se a liberdade, mas somos cada vez mais escravizados pelos caprichos das minorias organizadas, pela militância e pelo “politicamente correto”, ainda que, contrariando o bom senso e os valores morais eternos.

Somos cercados por uma legião de amigos e milhares de fãs virtuais, mas nunca estivemos tão sozinhos, tão carentes de um toque, um abraço, de alguém que se disponha a tomar tempo para nos ouvir. Olhos nos olhos, frente a frente. De maneira pessoal. Real. Humana.

Dizem que o mundo melhorou. Mentira!!!

Eu não creio nisto. Penso que envelheceu. Deteriorou-se. Enlouqueceu. Murchou. Apodreceu! E que a cada dia que passa se torna um lugar pior para estar e viver.

Já disseram que o homem, a civilização, a política e a ciência salvariam o mundo… Quanta bobagem!

Só conseguiram piorar o que o pecado já havia estragado.

Hoje, mais do que nunca, tenho a certeza de que só Jesus pode realizar esta obra de mudar as coisas para melhor.

Parece coisa de fanático religioso, não?

Creia ou não, é a pura verdade. Não há outra alternativa.

Sinto dizer-lhe, mas o mundo vai a cada dia de mal a pior…

Não há mundo novo sem um homem novo.

Não há homem novo sem um coração renovado.

Não há coração renovado sem a Graça de Cristo.

E isto não é obra da erudição ou ativismo político. Qualquer que seja sua origem, militância ou orientação.

Não importa se é de direita, de centro ou esquerda. Capitalista ou Socialista… Conservador ou Liberal!

Não é resultado de imposição, violência ou negociação.

É obra do Espírito. É fruto da fé.

É o Reino de Deus que nasce em nosso coração e cresce em nossa alma. De dentro para fora. De maneira espantosa. Até tornar-se a maior de todas as árvores.

Tentando tornar o mundo melhor, os homens só conseguiram piorá-lo.

A boa notícia é que isto vai acontecer. Não é utopia. Nem discurso de fanático, não!

Em breve Jesus voltará. E quando ele vier fará com que as coisas voltem a ser o como sempre deveriam ter permanecido, se a maldade não houvesse sido plantada na alma humana!

Ora vem, Senhor Jesus!!!

Leia também